SOBRE A “BALADA DAS TRÊS MULHERES DO SABONETE ARAXÁ” DE MANUEL BANDEIRA